04/10/18

5 outubro 1910


Proclamação da República de 5 de Outubro de 1910

Na manhã do dia 5 de Outubro de 1910, em Lisboa, dirigentes do Partido Republicano Português dirigiram-se aos Paços do Concelho, de cuja varanda, José Relvas, acompanhado por Eusébio Leão e Inocêncio Camacho, proclamou a República: “Unidos todos numa mesma aspiração ideal, o Povo, o Exército e a Armada acabou de, em Portugal, proclamar a República”.
Descobre mais informação na exposição da biblioteca escolar.










01/10/18

Regresso às aulas e à biblioteca


Mais um ano se inicia e, como é costume, a nossa Biblioteca continua em ação e a procurar proporcionar aos seus alunos a possibilidade de vivenciarem experiências ao nível das diferentes literacias, muito enriquecedoras, tanto ao nível académico, como ao nível da formação pessoal dos mesmos. Assim, vamos empenhar-nos por conseguir com que a nossa intervenção pedagógica seja um bom contributo para o sucesso escolar e pessoal dos nossos aprendizes.


Bom ano letivo e votos de muito sucesso




19/06/18

25 de Abril

Comemorou- se o 25 de Abril com a presença de Eudália e Silvina Miranda que partilharam a sua experiência enquanto filhas de ex presos políticos, durante o regime salazarista. Um testemunho oral importante para os alunos de 6 e 9 anos, no âmbito da História de Portugal.


Dia Mundial do Livro


No Dia Mundial do Livro, tivemos a presença privilegiada de Arménio Aleluia Martins, jornalista; Roberto Leandro, poeta e Antonieta Rosendo, professora que, de forma simples, mas profundamente entusiasta e significativa testemunharam o seu percurso pessoal e literário como forma de incentivo e desafio à descoberta dos livros e da leitura por parte dos mais jovens.

Este testemunho contou com a presença de duas turmas de 9.º ano e uma de 8.º ano que muito apreciaram o momento.

11/05/18

20/04/18

25 de Abril

Na madrugada de 25 Abril de 1974, forças militares ocuparam pontos estratégicos em Lisboa e derrubaram a ditadura do Estado Novo, implantada também por militares em 1926.

Às primeiras horas da manhã, militares de vários ramos, ocuparam pontos estratégicos na capital portuguesa, com o objetivo de derrubar o regime do Estado Novo.

Os sinais de código para dar o arranque das operações – canções de Paulo de Carvalho e Zeca Afonso – foram transmitidos através da rádio nas horas anteriores.

A zona dos ministérios, órgãos de comunicação e outros locais considerados sensíveis foram subjugados pelos militares sublevados.

A reação do regime foi lenta e ineficaz.

O presidente do Conselho de Ministros, Marcelo Caetano, refugiou-se no Quartel do Carmo, de onde saiu sob escolta militar do capitão Salgueiro Maia, em direção ao exílio.

Nas horas seguintes foi criada a Junta de Salvação Nacional.

http://ensina.rtp.pt/artigo/a-revolucao-de-25-de-abril-de-1974/